Não só informação, opinião!

Barra curso Texas

Curso: “Introdução à Visualização de Dados e Infografia”

Logos das empresas do cursoNos meses de abril e maio de 2014 tive a oportunidade de participar do curso citado acima, que trata-se de um MOOC (curso online, massivo e aberto, por suas siglas em inglês), oferecido pela ANJ (Associação Nacional de Jornais) e pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, em parceria com a Universidade do Texas (USA) e com o apoio do Google.

O curso foi ministrado em quatro módulos, sendo que os três primeiros foram dedicados ao conteúdo e o quarto a um projeto de conclusão. Assim como faço todas vezes que tenho acesso a novos conteúdos, resolvi compartilhar um pouco desta experiência, com os meus leitores. Infelizmente não posso publicar, na íntegra, o curso, ao qual tive acesso, mas escrevi pequenos resumos dos módulos e vou disponibilizar alguns links, que na verdade foram dicas complementares de leitura. Acredito que com essas informações já é possível ter ideia dos assuntos tratados neste curso.
.
Sobre o professor: Alberto Cairo é Professor da Prática Profissional e Diretor do Programa de Visualização no Centro de Ciência da Computação da Universidade de Miami. É autor do livro ‘The Functional Art: An Introduction to Information Graphics and Visualization’ e do website www.thefunctionalart.com. Foi diretor de infografia online no jornal El Mundo (Espanha, 2000-2005) e de infografia e multimídia na revista Época, no Brasil (2010-2011), além de professor na Universidade de Carolina do Norte-Chapel Hill (2005-2009). Na última década, tem organizado programas de treinamento e consultorias em mais de vinte países.
.
.

.

MÓDULO 01 – INTRODUÇÃO À VISUALIZAÇÃO

Info 01

Resumo: A infografia objetiva-se por modelar um material confuso, dar sentido a uma informação. Conseguir passar uma mensagem, que sem este recurso seria caótica. É muito mais fácil entender uma balança comercial com gráficos, do que com tabelas.

Os primeiros gráficos estatísticos foram sistematizados por Willian Playfair (olhar imagem acima). Ele criou os primeiros infográficos usando como base os mapas, substituindo latitudes e longitudes por outras informações.

Infografia: representação visual de evidências, que são úteis e que podem nos revelar realidades. Mas para que isso aconteça precisamos estar atentos à estrutura narrativa (cores, imagens, etc). O design não escreve e o jornalista não desenha, quando isso acontece é possível que surjam distorções. É preciso conversar, criar uma conexão. É importante lembrar que grandes desenhos ou a apresentação de números soltos não são infográficos. Um infográfico precisa criar relações com as informações, mostrar complexidades.

Dicas de leitura:

1) Cómo los orígenes de la visualización nos ayudan a entender el futuro del periodismo [leia]

2) Periodismo de precisión y visualización de datos (parte 1) [leia]

3) Periodismo de precisión y visualización de datos (parte 2) [leia]

4) A visualização como carro-chefe do jornalismo de dados [leia]

5) Usando visualização image parágrafo CONTAR Histórias [leia]

.

MÓDULO 02 – ESCOLHA DE FORMAS GRÁFICAS

Info 02

.

Resumo: O grande desafio da infografia é escolher a forma mais adequada de apresentar os dados. Um infográfico não pode ser definido por sua beleza, mais sim por sua funcionalidade. É preciso ajudar o leitor a entender a informação. Por exemplo, um gráfico de pizza deve ser usado quando temos até duas porções, mais do que isso temos que partir para o gráfico de barras. Gráficos de bolhas são pouco eficazes quando usados para comparação.

Para a escolha: 1) Saber qual será a audiência do infográfico; 2) Perguntar o que o leitor vai tentar fazer com os dados (ler, comparar, etc) – prever o que o leitor fará; 3) Fazer com que o leitor entenda a proposta sem que ele precise ter acesso a todos os números. Estar atento à tabela acima: comparações precisas (parte de superior da tabela), sem comparações precisas (parte inferior da tabela).

Uma forma de inovar seria explicar pela 1ª vez para o leitor como se lê um gráfico. Desta forma ele se acostuma e você pode apresentar novas formas, mais eficazes que as tradicionais. Apresentar os dados mais de uma vez também é outra forma interessante de explorar a infografia. Por exemplo: Imagem global, e ir reduzindo a perspectiva a cada etapa (gráficos de longo prazo). Muito comum na internet, quando não há limite de espaço.

Dicas de leitura:

1) Introdução à Visualização de Dados [leia]

2) Visual Encoding [leia]

3) Visualização de Dados para a percepção humana [leia]

4) Como escolher o gráfico [leia]

.
MÓDULO 03 – REGRAS DO DESIGN GRÁFICO PARA A VISUALIZAÇÃO
Info 03
 .

Resumo: As regras do design gráfico devem estar diretamente ligadas à simplicidade. E isso não significa que o trabalho deve ser simplório. É preciso deixar de lado o óbvio e trazer para as infografias elementos que ajudam a entender melhor a informação que será apresentada, estruturar, organizar, tornar legível, facilitar a extração do significado.

Regras: 1) Identificar os elementos relevantes; 2) Usar objetos e cores que chamam a atenção (criar uma hierarquia visual) – antecipar a organização que o cérebro faria, organizar e orientar o leitor. Um bom design gráfico é baseado em ESTRUTURA – ORDEM – HARMONIA – EQUILÍBRIO.

O equilíbrio se consegue a partir da escolha de cores, fontes tipográficas e respeito ao grid (unidade de estilo, divisão horizontal e vertical que alinha e ajuda na distribuição lógica do conteúdo.

Tipografia: Por exemplo, todos os títulos devem ter a mesma cor, o mesmo tamanho, a mesma fonte. Coisas que são iguais devem ser iguais. A ideia é usar em média duas ou três cores. Uma cor neutra (pastel – dominante) e a partir dela, diferentes tons dentro desta cor escolhida. Depois uma ou duas cores puras para destacar elementos importantes. Nunca uma cor pura deve ser a dominante.

Dicas de leitura:

1) Princípios de design para Notícias Apps & Gráficos [leia]

2) 10 Things You Can Learn From the New York Times’ Data Visualizations [leia]

3) Visualização de Dados: Clareza ou Estética? [leia]

4) Clareza ou Estética? Parte 2 – Um Conto de Quatro Quadrantes [leia]

5) Clareza ou Estética? Parte 3 – Dicas para Alcançar Ambos [leia]

6) Rule Seven: Composition: putting it all together [leia]

7) Regra Seis: Motion [leia]

8) Torne-se um Mestre Designer: Regra Cinco: Adicionar profundidade a seus projetos. [leia]

9) Torne-se um Mestre Designer: Regra Quatro: Espaçamento é seu amigo [leia]
 .
10) Torne-se um Mestre Designer: Regra Três: contraste, contraste, contraste. [leia]
 .
11) Torne-se um Mestre Designer: Regra Dois: Limitar suas cores [leia]
 .
12) Become a Master Designer: Rule One: Limit your fonts [leia]
.

Exercício do módulo 03:Inicialmente recomendou-se fazer a leitura do seguinte artigo: O infográfico mutante sobre a fecundidade [leia]

Em seguida, foi apresentado o seguinte infográfico. Ele deveria ser analisado e reconstruído, a partir dos conceitos discutidos nos três primeiros módulo do curso.

Gráfico que deu origem ao exercícioAnálise: Quando observamos um infográfico, buscamos ter acesso a uma informação mais completa. E isso se torna possível, não apenas com dados e informações, em meio a uma apresentação estética, que chame a atenção. É preciso fazer com que as informações apresentadas nos conte uma história, façam sentido por estarem ali e daquela forma.

No gráfico ao lado observam-se exclusivamente informações e falta este ‘a mais’ para nos contar uma história. Informações estas que, inclusive, poderiam dispensar tal apresentação estética, de modo a serem demonstradas com uma tabela. O infográfico não cumpre seu papel, já que nem mesmo comparações são possíveis em um primeiro momento.

Enfim, a partir desta análise, proponho o infográfico seguinte. Não avalio como sendo fundamental criar um gráfico com todas as categorias de gastos de todos os países. Acho que seria mais interessante fazer gráficos separados por categoria de gastos, de modo a permitir que o leitor possa fazer as comparações. Também proponho destacar algumas outras informações, que foram destaques da análise de resultados, como o Brasil, a Noruega e os países da Ásia. O gráfico de rosca foi usado para apresentar o total de gastos, levando em conta todas as categorias juntas, e apresentar por fatia, de que forma estes países fazem uso do seu poder de compra.

O gráfico reconstruído ficaria assim:
Resultado final do exercício 03
MÓDULO 04 – PROJETO FINAL

Objetivo: Ir em busca de informações sobre um assunto desejado, apurar os dados reais e construir uma infografia.O Brasil celebra no próximo domingo (11/05/14) o dia das mães. E como sempre gosto de trabalhar com o factual, fui atrás de algumas informações que pudessem me ajudar a construir o perfil do consumidor nesta época do ano, que é uma das mais importantes para o comércio. Principalmente porque estamos passando por uma crise na economia e gostaria de entender de que forma os brasileiros vão gastar seu dinheiro.Não consegui dados nacionais, mas reuni informações do Estado de São Paulo, a partir de pesquisas que fiz na Fercomércio-SP. Desta forma acredito que consigo cumprir com o meu objetivo que era traçar um perfil consumidor. Os resultados estão disponíveis no projeto: http://goo.gl/wG2T1H
 .
Documento-1-página001

Desenvolvido por Ative Comunicação Estratégica